agende agora

Entenda o que é ultrassom, suas funções e particularidades


Quando você recorre ao médico por suspeitar de algum problema de saúde ou para realizar um check-up, passa a ter contato com uma série de testes e exames; um deles é o ultrassom. Pensando nisso, preparamos este texto para você entender o que é ultrassom e quando ele é indicado.

O ultrassom é um exame solicitado para avaliar a saúde dos órgãos e tecidos do corpo. Conhecido como ultrassonografia ou ecografia, tem particularidades que o diferenciam de outros métodos de diagnóstico. Mas será que todo mundo pode se beneficiar com esse tipo de exame? Continue lendo para descobrir!

O que é ultrassom

Ultrassom é um método de diagnóstico por imagem, como a radiografia, a tomografia e a ressonância magnética. Sua principal diferença em relação a esses outros procedimentos está no fato de ser um exame não invasivo.

O exame funciona por meio do transdutor, um aparelho que lança ondas sonoras de baixa ou alta frequência sobre a região a ser analisada. Tal processo gera imagens em 2D e 3D, que podem ser interpretadas pelo profissional responsável.

A partir de manchas em tons de cinza, o médico consegue identificar lesões, presença de líquidos e outras alterações na estrutura de órgãos e de tecidos moles.

exame de ultrassom é empregado em praticamente todas as áreas da medicina. Ele ajuda a prevenir doenças, diagnosticar problemas no organismo e controlar lesões que estão em processo de tratamento.

As funções do ultrassom

De acordo com o Doutor Felipe Folco, “o exame permite visualizar e diferenciar órgãos de outras estruturas. Isso faz com ele que seja bastante útil na hora de diagnosticar e acompanhar uma série de condições”. Algumas delas são:

  • Estudar o movimento de estruturas corporais;
  • Identificar inchaço ou presença de inflamações em órgãos;
  • Observar lesões em músculos e tecidos que compõem a parede abdominal;
  • Encontrar possíveis variações de anatomia que possam comprometer o funcionamento de determinados aparelhos;
  • Avaliar estreitamento de vasos, estenoses de artérias e fluxo de sangue para órgãos vitais;
  • Investigar doenças presentes em diferentes regiões do corpo;
  • Localizar tumores, nódulos, cistos ou massas na região do abdômen;
  • Verificar a presença de cálculos na vesícula biliar, nos rins ou nas vias urinárias;
  • Captar os batimentos cardíacos e o movimento dos pulmões de fetos,
  • Diagnosticar a gravidez e acompanhar o desenvolvimento do bebê.

Como é feito o ultrassom

O procedimento é bastante simples e dura em média 30 minutos, mas costuma variar. Ademais, pode ser realizado na própria clínica ou em um laboratório.

Para o processo, o paciente se deita sobre uma maca para que fique confortável, o transdutor (sonda) é posicionado na região a ser avaliada e, então, com a ajuda de um gel, é movido de modo que permita investigar a área por completo.

Durante o procedimento, um computador transforma os sinais em fotos ou vídeos que costumam ser transmitidos em uma tela. Como o resultado da ecografia é imediato, muitas pessoas conseguem ter uma resposta rápida do exame.

Vários médicos aproveitam essa agilidade para informar na hora o paciente sobre a situação. Se for necessário, guardam as imagens para avaliá-las em um momento posterior e oferecer um diagnóstico preciso.

Em quais partes do corpo o exame pode ser realizado

Esse exame é muito amplo em suas aplicações e existem diversos tipos de ultrassom capazes de diagnosticar doenças em várias partes do corpo.

As possibilidades são tantas que existem transdutores específicos para cada área: linear, para examinar órgãos externos; convexo, para examinar órgãos internos; ultrassom com Doppler, para medir a velocidade do sangue, entre outros.

A seguir, veja alguns exemplos de órgãos e membros que podem ser avaliados por meio de ultrassonografia.

  • Abdômen: visualiza órgãos, como fígado, vesícula biliar, pâncreas, rins, baço, etc;
  • Articulações: diagnostica doenças articulares em algumas regiões;
  • Coração: identifica doenças anatômicas e funcionais do coração;
  • Glândulas salivares: confere saúde geral das glândulas na boca e garganta;
  • Olhos: identifica doenças do globo ocular e detalhes dos anexos oculares e da cavidade e parede orbitária;
  • Pescoço: avalia as glândulas presentes na região do pescoço e demais tecidos;
  • Bolsas testiculares: observa doenças dos testículos;
  • Pele: identifica doenças primárias e secundárias da pele;
  • Pelve: fornece detalhes dos órgãos internos do aparelho genital feminino. Também facilita a identificação de doenças em órgãos adjacentes;
  • Aparelho locomotor: avalia músculos, tendões, articulações e partes moles do sistema locomotor;
  • Próstata: identifica doenças que costumam acometer os órgãos internos do aparelho genital masculino.
  • Facilita a análise de problemas em órgãos adjacentes, como bexiga, uretra e ureter inferior;
  • Mamas: avalia doenças das glândulas mamárias, linfonodos axilares e da epiderme mamária. Visualiza caroços sentidos após a apalpação dos seios;
  • Nervos periféricos: localiza nervos periféricos, guiando agulhas para bloqueio anestésico,
  • Tireoide: permite observar o formato e o tamanho dessa glândula, verifica presença de nódulo. Guia biópsias realizadas para a retirada de amostra do tecido, em caso de suspeita de doenças mais graves.

Existe alguma contraindicação ao ultrassom?

Entender o que é ultrassom inclui também saber suas indicações e contraindicações.

A ecografia diagnóstica é um método seguro que utiliza ondas sonoras de baixa potência. Não há riscos conhecidos, portanto, não há contraindicação para nenhum grupo. Ainda assim, muitos médicos podem considerar a realização de outros exames com base em informações sobre o estado de saúde do paciente.

De todo modo, se o profissional decidir não fazer o procedimento, significa que se trata mais de uma prevenção do que restrição.

Saber disso é importante para a pessoa não ficar com receio em relação ao método e às alternativas apresentadas pelo especialista — afinal, cada caso é único e deve ser avaliado com cautela”.

O preparo para ultrassom

O ultrassom é um exame rápido e indolor, e seu preparo depende do tipo de ultrassonografia, ou seja, da região do corpo que se pretende avaliar.

É necessário fazer a consideração do tipo de exame, afinal, cada tipo de ultrassom tem suas particularidades. Por isso, converse com seu médico para cumprir todos os cuidados da pré-consulta.

Algumas ultrassonografias exigem que o paciente tome remédios ou realize procedimentos específicos — como sedação e anestesia. Pessoas que sofrem com excesso de gases, por exemplo, devem ingerir, no dia anterior à consulta, medicamentos que ajudem a reduzir o estufamento da região abdominal.

Outro exame que exige um preparo especial é o ultrassom transvaginal, quando feito para o estudo endovaginal, ou seja, avaliando a possibilidade de a paciente ter endometriose profunda. Nesse caso, a paciente pode precisar fazer uso de laxantes e uma lavagem do reto (enema).

Qualquer dúvida sobre a necessidade de cada procedimento deve ser sempre esclarecida pelo profissional responsável.

Periodicidade para fazer ultrassom

Com exceção de casos em que o próprio médico considera limitar o número de ultrassonografias, não há restrição de frequência. Ou seja, o exame ultrassom pode ser feito quantas vezes forem necessárias, de acordo com a orientação do especialista.

Além disso, esse tipo de exame não fornece imagens perfeitas das estruturas mais densas e profundas, como é o caso da coluna. Portanto, quando o objetivo é avaliar áreas mais difíceis, o paciente pode ser submetido a outros testes, como a ressonância magnética e a tomografia.

Os resultados do ultrassom

A leitura das imagens do ultrassom é feita com base na diferença de cores. Os tons variam entre branco — ossos/tecidos mais sólidos —, cinza e preto — tecidos preenchidos. Ainda que as figuras agucem a curiosidade do paciente, vale deixar claro que a interpretação correta do laudo só pode ser feita por um especialista.

Se, mesmo assim, o resultado for inconsistente, a tendência é que o especialista solicite exames complementares e com melhor abrangência anatômica antes de determinar a existência de um problema.

Fonte: Comigo Saúde

H3Med

Subir Página